Carregando

Salvação


É incrível como a ciência, vem por vezes, ou em quase todas as vezes, corroborar com a filosofia, notadamente a mística, pois os cientistas guiados, diria mesmo inspirados, utilizam-se de termos que à uma especulação profunda, preenchem totalmente os postulados da infinita incógnita que é o homem e o universo, tanto o que percebemos através dos sentidos físicos, como as tantas e tantas freqüências vibratórias que sabemos existir, porém de que não temos consciência.

Mais uma vez a ciência, desta feita, a que irá introduzir realmente o homem no Terceiro Milênio, a Informática, utiliza-se de termos que podem, com um pequeno ajuste, ser adaptado à filosofia, e a um dos mais elevados mistérios envolvendo o homem, qual seja, a sua Salvação.

Por Salvação, deve-se entender aqui o atingir da Maestria, transpor o portal que prende-nos ao corpo físico, deixar de reencarnar (a reencarnação é uma Lei, quer aceite-mô-la ou não) e preenchidos pelo Espírito Santo (adentrando em Consciência Cósmica; atingindo a Iluminação, o Samadhi ou Nirvana; percebendo a sarça ardente de Moisés ou contatando o Anjo Gabriel, como Maomé), permitindo que finalmente o Cristo em nós faça morada (Evangelho de João, Cap. 14, vs. 23), após o despertar de nossos centros de energia, edificarmos assim a Nova Jerusalém, que se compõem de Doze Portais (portões que significam os doze níveis de Consciência Cósmica, conforme Apocalipse, Cap. 21, vs. 9 a 27).

A efetiva Salvação, ou o deixar de reencarnarmos, atingindo a imortalidade, só viria após a transposição de determinado portal, ou de determinado nível de Consciência Cósmica ou do recebimento do Espírito Santo, daí a afirmação do Mestre Jesus, de que nos faria assentarmo-nos sobre doze Tronos (Mateus, Cap. 19, vs. 27 a 30); por isto resulta como inequívoca a conclusão que mesmo já tendo adentrado em Consciência Cósmica, ainda assim o homem continuará reencarnando até transpor o portal que o habilitará para a Maestria e a Imortalidade.

De registrar-se que este que ora digita estas idéias, talvez não seja abençoado com a vida eterna, entretanto, enquanto a divina providência, em sua magnificência, incomensurável beneficência e amorosidade, permite que mesmo quotidianamente ferindo a Lei, esta personalidade continue sendo, porque não partilhar convosco aquilo que poderá ser, para aqueles que conseguirem atender aos parâmetros que foram fixados pelo Criador, na Eterna e Imutável Constituição Cósmica, pois a Lei Divina se aplica, independentemente da vontade do homem.

Também não tenho mais nada para indicar-vos como balizadores, exceto as palavras de Mestres, como o Sermão da Montanha de Jesus (Mateus, Cap. 5 a 7), o Decálogo de Moisés (Êxodo, Cap. 20) e a poesia do Bhagavad Gitâ, os quais nos dão conta de quanto nosso caráter deve agigantar-se, antes de transpor o portal Cósmico ou Universal.

De registrar-se também, que com certeza, mais que a sexualidade humana, Deus sondará e registrará nossos corações, antes de julgar-nos.

Por estas razões, quedo-me não inerte, mas cauteloso e consciente de que se é possível atingirmos a perfeição (Mateus, Cap. 5, vs. 48), bem como fazermos as obras que os Avatares que nos antecederam fizeram (João, Cap. 14, vs. 12), até que nossa personalidade reflita a luz sem máculas e habilite-se para tanto, longo e árduo é o caminho.

Volvemo-nos à Informática, para traçarmos uma analogia entre o que pode ser a Mente Divina e conseqüente Única Alma Universal ou Super-Alma (over-soul); o Homem; a personalidade que evolui, que eleva-se em tomada de consciência e permanece após a chamada morte, ou seja, o Homem Interno, e finalmente, a Salvação, que já frisamos, é o atingir da Maestria.

Poderíamos dizer que a Mente Divina ou Alma Universal, corresponderia aos “Drive C” dos computadores, ou seja, o espaço existente para os arquivos;

a chamada Memória RAM, seria a Lei Cósmica, a Vontade Divina, o Cristo, que faz e permite a ação no universo; tanto o Homem Objetivo (aquele que se utiliza dos cinco sentidos apenas, e de uma parcela da memória e raciocínio), como o Homem Subjetivo ou Interior (aquele que se utiliza do sistema nervoso autônomo, da parte mais profunda da memória e de outras capacidades que não convém aqui discriminar, pois somente um estudo esotérico metódico e continuado poderá levar à compreensão e domínio dessas faculdades), são arquivos, um menos estável que o outro, pois o Eu Objetivo destina-se a uma encarnação somente, cabendo ao Homem Interior, com seu Arquivo Perfeito de Memória, efetuar o resagate (salvar as informações) das experiências de todas as encarnações, para que o aprendizado da personalidade prossiga (somente isto explica as capacidades inusitadas demonstradas por um homem e não por outro, pois a Justiça Divina não poderia privilegiar uma criado em detrimento do outro, e não existe acaso no universo de Deus).

As razões acima, já fizeram Spinoza afirmar que “... caso a Salvação estivesse bem à mão e pudesse ser descoberta sem grandes penas, como poderia ser desprezada quase que por toda gente?”.

Tudo que é nobre, todavia, é tão difícil quanto raro”.

E Lao-Tsé, no Tao-Te-King, texto V, vislumbrando algo que julgo ser semelhante, afirmou:

“Céu e terra não são bondosos. Para eles, os homens são como cães de palha, destinados ao sacrifício”.

Ao atingirmos a Maestria, suponho com segurança, que teremos atingido a imortalidade; a memória perfeita; o correto e completo modo de aplicar as leis cósmicas ou universais (leis que a exemplo das que regem o mundo físico, desvendadas pela ciência, regem os mundos emocionais, mentais, psíquicos e cósmicos, como a Lei da Causa e Efeito -carma, que recompensando-nos pelos bons e maus atos, mantém o universo do uso da vontade do homem em equilíbrio) e o caráter perfeito; portanto, não tenho como não entender que a evolução da personalidade, implica não apenas no aprendizado de leis cósmicas (ministradas numa Escola Esotérica ou de Mistérios), mas também na evolução ética e moral do homem, no ampliar de sua capacidade de amar, no viver na verdade, que convenhamos, é quase impossível, quando pensamos que tal se deve dar em emoção, pensamento, palavra e ação.

Deus é infinitamente pródigo.

Trilhões e trilhões de sois e infinitos planetas, onde a vida, ou seja, união da energia dos planetas (água, alimento e oxigênio), o “hardware”, com a energia oriunda das estrelas, o sopro da vida, (software), conforme Gênesis, Cap. 2, vs. 7, pode manifestar-se.

Milhares de sementes são geradas por uma única árvore, para que a manifestação prossiga; milhões de espermas, para gerar apenas mais um homem; milhões de espécies; energia abundante, infinita e nós, utilizando-as graciosamente, “vivendo a gratuidade da vida”, como já afirmaram.

Parece que o Criador não necessita economizar como nós, finitos possuidores, limitadores, armanezadores, e muitas vezes, destruidores, pois criando infinitamente, sem início ou fim, a Ele não interessam ou Nele não repercutem as teóricas baixas que passamos a chamar de morte, apesar da existência da Lei da Reencarnação.

Se não atingirmos a Maestria Cósmica ou Universal, tornando-nos co-laboradores do Criador, laborando em sua vinha, ultrapassando as barreiras egoístas do Eu Objetivo, em compreensão e consecução, existe a hipótese de “sermos deletados”, desorganizados, desintegrados e imediatamente a energia que assim é dispersa, dá margem ao surgimento de outra personalidade, outro arquivo, naturalmente que após o decurso do que chamamos tempo necessário a isto.

Se assim for, é injusto? Quem poderia dizer que não é justo?

De quanto tempo dispomos? De quantas encarnações dispomos?

Parece que ninguém sabe, pois ao que consta, nem Mestre Jesus, o Cristo, soube responder (Mateus, Cap. 24, vs. 36), entrementes a possibilidade maior, a meu ver, é de que o Apocalipse seja individual, pois a tomada de consciência é individual, de acordo com a vontade e a determinação de cada personalidade, que é deixada livre (livre-arbítrio), para cumprir ou descumprir a Lei Cósmica; evoluir ou estagnar, bem como, talvez hajam parâmetros diferenciados para o Eu Objetivo e para o Eu Interior, aquilo que permanece de nós; mas do mistério da Salvação, que é o atingir da Maestria e deixar de reencarnar, resta-nos quase que sem dúvida, a existência do Julgamento Final.

“Dura Lex; sed Lex”, “A Lei é dura, mas é Lei”, como diziam os Romanos;

“... nem um jota ou til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido”, (Mateus, Cap. 5, vs. 18, ao final), afirmou Jesus!


 Recomende este artigo
Indique para um amigo


Aguarde...






Livro - O Sol dos Rosacruzes

Todos Direitos Reservados © 2022